Maison

ARQUITETURA NO CINEMA

ARQUITETURA NO CINEMA

Com uma história envolvente pela atmosfera romântica e fantástica, o filme Meia Noite em Paris (Midnight in Paris, 2011) marcou não somente por sua história e figurinos, mas também pelo contraste das incríveis paisagens urbanas da Paris da década de 20 e a dos tempos atuais.

Na história, Gil (Owen Wilson) é um escritor que vai para a capital francesa com sua noiva e família planejar os preparativos de seu casamento, porém em passeios noturnos ele descobre que, após a meia-noite consegue viajar no tempo. Após conhecer a cidade luz ao lado de artistas como Salvador Dalí, Hernest Hemingway, F. Scott Fitzgerald e Gertrude Stein se apaixona pela cidade. Ao longo do filme, eles nos guiam pela capital francesa em pontos turísticos surpreendentes, por isso separamos a seguir alguns deles para você se apaixonar 😀

Palácio de Versalhes: parada obrigatória numa viagem à França, devido a sua importância histórica ao ter sido um dos palcos da Revolução Francesa, mas também por sua deslumbrante arquitetura barroca.

Museu Rodin: abrigando a maior coleção de desenhos e esculturas do artista homônimo, incluindo 6.600 esculturas, 8.000 desenhos, 8.000 fotografias antigas e 7.000 objetos de arte. O museu recebe anualmente uma média de 700 mil visitantes e é memorável também por sua arquitetura rococó.

Igreja Saint Étienne-du-Mont: construção de estilo renascentista, abriga as relíquias de Santa Genoveva (padroeira de Paris) e está localizada no Quartier Latin, bairro intelectual da cidade onde também se encontra a universidade de Sorbonne. Nestes degraus de entrada, que o personagem Gil faz sua viagem mágica no tempo para uma Paris antiga e clássica.

Le Polidor: pub histórico com origem em 1845, foi frequentado por diversos artistas e autores importantes como Ernest Hemingway, Jack Kerouac e James Joyce, por exemplo. Oferece culinária tradicional francesa e ainda mantém sua decoração clássica mesmo após 175 anos desde que abriu.

Livraria Shakespeare & Co.: fundada em 1951 como tributo à livraria de mesmo nome na Rue de L’Odéon na década de 1920. Muito frequentada por Ernest Hemingway, Scott Fitzgerald e demais autores da literatura modernista anglo-americana, tornaram o espaço um ícone desde aquela época. Além disso, sua fundadora Sylvia Beach foi a primeira a publicar a obra Ulysses, de James Joyce, após ter sido censurada no Reino Unido e EUA.

E aí, curtiu as dicas? Comente se alguma vez você já conheceu algum destes pontos e conta pra gente ou se quer ver algum deles com mais detalhes por aqui ;D