Maison

MNK Entrevista: Anna Karolina Venturi

“Quero que meus clientes cheguem em casa e sintam-se abraçados”

Anna Karolina Venturi

O Portal My New Kitchen inicia uma série de entrevistas com arquitetos que admiramos. Durante esse compilado de conversas, você poderá conhecer mais sobre o perfil, estilo e forma de trabalhar de profissionais destaque do mercado.

Para abrir essa sequência, convidamos a arquiteta Anna Karolina Venturi, que também possui formação em design de produto e atua na área de interiores há mais de 15 anos. Karol costuma dizer que o que mais importa na hora de concluir um projeto é que os clientes possam se sentir felizes dentro daquele espaço cuidadosamente projetado. Atuando em Curitiba, seu escritório teve recentemente um projeto minimalista destacado na renomada revista Top View.

MNK: Qual é o seu estilo? Qual perfil dos clientes que você atende?

Karol Venturi: Atendo clientes de perfis diversos, mas conforme se vai ganhando experiência, é comum que os meus projetos assumam certo estilo e tenho sentido que meus clientes acabam aceitando muito mais as minhas ideias hoje. Se fosse pra definir assim, eu diria que minha assinatura está ligada à ideia de composição. Não tenho medo de combinar diferentes cores, texturas e revestimentos. É aquela coisa de não sair com bolsa e sapato iguais, sabe?

MNK: Como nasce um projeto ideal?

Karol Venturi: Acredito que o projeto ideal tem que unir a questão técnica do profissional com o desejo do cliente. Eu sempre falo para o cliente que eu tenho respeito pela opinião dele e também pelo dinheiro dele. Mas também destaco minha experiência em já saber tanto elementos que dão certo como que dão errado.

MNK: Quais são as fases principais de um projeto?

Tecnicamente são três: estudo preliminar, interprojeto e projeto executivo. Nessa primeira fase é preciso estudar o layout, pensando em disposição. Em uma cozinha, primeiro defino onde vai ficar geladeira, fogão, pia, porque isso muda completamente o projeto, completa. Por exemplo, se essa cozinha vai ser integrada ou não. A segunda etapa envolve um projeto todo em 3d para que o cliente possa visualizar todos os acabamentos e estilos que serão utilizados, para então chegar na etapa de execução.

MNK: O que você identifica como determinante para o sucesso no seu trabalho?

Karol Venturi: Uma boa execução da obra, ser fiel ao que projetei, tento prever até as alterações que podem ser sugeridas no decorrer do projeto. Pra mim, o que mais importa é a interação do cliente com o espaço. Gosto muito quando eles participam expondo suas preferências e gosto pessoal, acho que isso é fundamental para o resultado final da obra.

MNK: Então o estilo do morador influencia na arquitetura?

Karol Venturi: Claro, precisa influenciar! Eu só tive um cliente na minha vida que falou “faça o que você quiser, só me fala quanto vou gastar”. Fiz, ficou lindo, mas eu acho que a pessoa tem que ter uma conexão com o espaço, interagir com as coisas que estão ali, tem que significar alguma coisa pra ela.

MNK: De onde vem as suas inspirações? Você busca originalidade em todos os projetos que faz. É difícil renovar-se sempre?

Karol Venturi: Fotos! Hoje é muito mais fácil. Gosto muito do Pinterest e o próprio Instagram. Mas fora isso, gosto de conhecer lugares, frequentar amostras, analisar ambientes decorados, admirar o trabalho dos colegas – é importante saber o que os outros estão fazendo, e claro, as referências que os próprios clientes me trazem.

MNK: Recentemente você usou um fogão da linha New Maxima da Lofra. Como foi essa experiência?

Karol Venturi: Eu fiz o projeto da cozinha da cliente e desde o início ela me sinalizou que gostaria de um fogão mais específico que atendesse mais às questões e os requisitos dela em relação a cozinhar, que tivesse uma cocção melhor, um comando de chamas mais preciso, grade de ferro, uma durabilidade maior. A partir desse desejo, optei pelo fogão da Lofra, que atende todas essas questões e pode muito bem passar de geração para geração. Nesse sentido, o fogão foi o destaque do projeto dessa cozinha planejada especialmente para uma cliente que adora adora cozinhar. Como eu gosto muito de mesclar estilos, utilizei diversos materiais como madeira, azulejos coloridos, tons de cinza, com estilo de cozinha americana, ela ficou bem feliz.

MNK: O que te move no dia a dia como arquiteta?

Karol Venturi: Um dia eu tive uma sacada da importância que meu trabalho tem, quer dizer, não é só ser bonito, vai além: eu posso fazer com que uma família dentro de uma casa fique reunida ou então que não fique. Nesse sentido é muito mais do que deixar bonito, é fazer com que  aquilo traga o que a pessoa deseja – criar um espaço de conexão. Estar envolvida em proporcionar para uma pessoa aquele sentimento de que não há nada melhor do que chegar em casa, me move. Quero que meus clientes cheguem em casa e essa casa os abrace.

MNK: Quais são suas apostas para o futuro?

Karol Venturi: Simplicidade! Mas não necessariamente na lógica do “menos é mais”, é uma ideia que está mais ligada aos materiais, à forma. Elementos naturais caem bem, sustentáveis também. Uso de tons terrosos, cores claras, madeira exposta, referência à palha. Mas acredito que essa tendência ainda vai amadurecer.